sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Filhos da Águia 2014 (Apresentação de Protótipos)

PORTELA 2014 (Ensaio Show)


PORTELA 2014 (Preparativos para a Capa da Revista da PORTELA 2014)


Diogo Nogueira e Tabajara do Samba (Projeto Serra e Mar 2014)

 
Diogo Nogueira fará show gratuito no distrito de Barra de São João, em Casimiro de Abreu, no interior do estado do Rio, neste sábado, 01/02/2014.
 
O sambista portelense se apresenta no Praião, a partir das 23h. O show faz parte da programação de eventos do Projeto Verão Serra & Mar 2014. Diogo apresenta as faixas do novo álbum, lançado recentemente. 
Em seu novo trabalho, "Mais Amor", como foi entitulado o novo CD, apresenta sucessos como 'Fé em Deus', 'Sou Eu', 'Poder da Criação', 'E malandro é malandro e mané é mané'. Além do pai, João Nogueira, sempre presente em seus álbuns, Diogo Nogueira coloca as letras de Jorge Aragão, Arlindo Cruz, Xande de Pilares e outros na mistura do novo trabalho. 
 
A Tabajara do Samba também fará apresentação no evento.

PORTELA 2014 (Ensaio 29/01/2014)

 
  
 
 
 

Valci Pelé e Nilce Fran (SESC Três Rios)

Feijoada Original do Mundo do Samba (Fev/2014)

Carlos Elias (Estou de Bem Com a Vida - Homenageado)


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Surica

Tia Surica da Portela (Crédito: Wikimedia Commons)
 
O COMPOSITORES DA PORTELA BLOG deseja a Surica, seu rápido restabelecimento!

Surica, integrante da Velha Guarda da PORTELA foi internada com gastroenterite.  Ela passou mal e foi levada para o Hospital Memorial do Carmo.

Iranete Ferrreira Barcelos, de 73 anos, a Tia Surica da Portela, está internada desde o início da madrugada no Hospital Memorial do Carmo, no Engenho de Dentro. Segundo a unidade, ela passou mal e foi levada para o hospital com gastroenterite. Os médicos fazem também o monitoramento dos batimentos cardíacos dela. Tia Surica também apresentava quadro de pressão baixa.

Momento (Passistas)

PORTELA (Visita do Cônsul Francês - Jan/2014)

 
  
 
 

Gadelha (Barra World)

Noca da PORTELA (Quantas Lágrimas - Show de Bem com a Vida)


PORTELA 2014 (Detalhe)


O diretor e produtor de óperas e espetáculos Fernando Bicudo visitou o barracão da Portela. Ele desfilará no carro sobre o Theatro Municipal.
Foto: Fabio Rossi / O Globo

Mais um detalhe do desfile da Majestade do Samba!

Fernando Bicudo dirigiu o Municipal entre 1984 e 1988.  Ele virá na frente do carro, nas escadarias que vão reproduzir a entrada do prédio histórico. E 30 anos depois de assumir o comando do teatro, compara a homenagem a um Oscar.

-  Será um grande barato, como ganhar um Oscar. Era uma característica minha receber o público na porta do teatro. Vou repetir isso na Avenida. No sentido do enredo, a ideia é resgatar as glórias do Municipal. E minha gestão ter sido escolhida como um destaque é muito importante — disse Bicudo, que visitou o barracão da escola para conhecer os preparativos da azul e branca de Oswaldo Cruz para o carnaval.
 
Em seus tempos de Municipal, Bicudo foi reconhecido por abrir as portas do teatro ao povo, com programas de formação de plateia. Logo em sua estreia como diretor, em 1984, levou ao palco o primeiro espetáculo com raio laser do Brasil, “Orfeu e Euridice”, de Christoph Gluck.
 
-  Foi um estouro da boaiada. Todo mundo queria ver. A garotada toda frequentava o teatro. Mostrei que a ópera não era coisa de elite, e foi uma fase de reconhecimento internacional do Municipal. Em outra ocasião, levei a ópera Aida para a Quinta da Boa Vista, que ficou lotada. O teatro era popular. E evidentemente isso refletiu na minha popularidade também — relembra Bicudo, que na época foi até jurado do Chacrinha, torcedor portelense.

“O Municipal é uma escola de samba erudita”. No teatro, artistas que transformaram o carnaval carioca fizeram fama. De Fernando Pamplona e Arlindo Rodrigues a Joãosinho Trinta, que integrou o corpo de baile do teatro, foram muitos e fundamentais os que saíram dos bastidores do Municipal para brilhar na passarela. Isso sem contar os antigos bailes de carnaval que aconteciam no teatro. Para Bicudo, tudo que — além, claro, da efervescência cultural que marcou a história do teatro.

-  No momento em que o Rio é palco de grandes eventos, acho importante destacar o palco do teatro -  diz ele, que se mostra esperançoso num grande desfile da Portela. — São muitos anos sem ganhar. Chegou a hora da Portela. E com o Theatro Municipal contribuindo para isso vai ser algo realmente muito bom. O samba é um escândalo. Vai levantar a Avenida - conclui.

Mais um detalhe para o nosso tão esperado desfile!

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Velha Guarda da PORTELA (Sempre atuante - 29/01/2014)

PORTELA 2014 (Ensaio de Quadra)

 
PORTELA 2014
 
Dando prosseguimento aos preparativos para o Carnaval 2014 a PORTELA estará realizando hoje, a partir das 20h, mais um Ensaio Técnico no Portelão!
 
Todos os segmentos da Escola estão convocados!
 
Portanto, estamos esperando pelos nossos torcedores, para mais um show!

PORTELA 1984 (Ala)

Noca da PORTELA 1984 (Concorrente a Cidadão Samba 2014)





 

Casquinha (com Rubens da Mangueira - Roda de Samba da PORTELA - Década de 1980)

Samba, 100 Anos (Canal Brasil)


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Tabajara do Samba 2014

TABAJARA DO SAMBA 2014

Nilo Sérgio, competente Mestre é daqueles Portelenses nota 10 e que mais uma vez, conduzirá a famosa Tabajara do Samba em 2014!  Prata da casa, persegue mais um Estandarte de Ouro.
 
Distribuição:

Surdo de 01ª - 11
Surdo de 02ª - 11
Surdo de 03ª - 13
Caixas - 90
Repiques - 30
Tamborins - 30
Chocalhos - 30
Agogôs - 30
Cuícas - 24
Prato - 1
Xequerê - 1

Mestre: Nilo Sérgio
Diretores: Vinícius Ximenes, Vinícius Rato, Vitinho, Douglas, Junior do Sampaio, Assênio, Nilson, André, Cacau, Bombeiro e Sidcley.
 
Expectativa
 
- Será um ano com mais pressão. É um novo momento da Portela e não podemos decepcionar. Sem contar as boas notas do ano passado e as premiações, que dobram a nossa responsabilidade. Vai chegando o carnaval e você não dorme(risos), mas a nossa estrada é a mesma do ano passado. Vamos buscar as notas mostrando a nossa cadência, o nosso ritmo e as bossas, que são feitas dentro do contexto do enredo e vem dando certo.  Apresentará duas bossas. Ambas têm suas bases em cima das ''conversas'' entre os surdos e participação efetiva dos agogôs. Uma das bossas está localizada no refrão principal e a outra no refrão do meio, esta com ritmo ''maxixado'' e seguida de uma pequena convenção nos versos a partir do ''canto, a arte e a dança'', confidencia Nilo.
 
BATERIA DA PORTELA 
 
Agogôs
 
 
 
- Estamos com o Sidcley há muito tempo e conversei com ele assim que assumi a bateria. Disse que a Portela só teria ala de agogôs se ele tomasse conta. Hoje temos uma ala forte e penso muito nele na hora das paradinhas. Deixo livre para fazer o desenho, mas se não gostei de algo tenho total liberdade para trocar ideia, até porque desfilei no agogô da Portela durante muito tempo. Ele leva a ala para fazer gravações no estúdio e sempre peço para mudar muito pouco a galera que desfila aqui - diz Nilo.
 
Caixas
 
- Foi algo muito complicado no início. A batida antiga e tradicional da Portela tinha três rufadas. Na época que eu entrei na bateria, o único que sabia perfeitamente era o Sr. Paulo Marino, antigo diretor de caixa da Portela. Mas como adotar essa batida no andamento que temos hoje? Acho que não é mais possível. Peguei um vídeo com o Marçalzinho de uma música que a Clara Nunes havia gravado com a bateria da Portela e a batida de caixa era essa que implementamos na bateria hoje. Acho que ela é a ideal pois não deixa a bateria correr, mas para implementá-la foi uma dor de cabeça. Muitos estavam acostumados a tocar qualquer coisa, qualquer batida, e não pode ser assim. Nesse ponto, trabalhar com o jovem é muito melhor. Não tem ''vícios'' e está com a cabeça mais fresca, não precisa pagar pensão(risos). O objetivo é não deixar mais morrer essa batida, que é a ideal para um andamento na casa de 144, 145 BPM(batidas por minuto). Ela é ''calangueada'' e remete ao toque para o orixá padroeiro da nossa bateria, o oxóssi. 
 
Terceiras
 
- Para padronizar as terceiras também encontrei resistência, não tanta quanto com as caixas, mas foi difícil também. Eram batidas diferentes e soltas aqui na Portela e os tocadores ''viravam'' conforme a vontade de cada um, o que é um perigo para embolar e atravessar a bateria. Desfilei tocando surdo de terceira na Portela e comecei a unir as três batidas em uma só, como acontece hoje. Quando assumi a bateria defini que não haveria mais terceiras soltas na Portela, isso é algo novo na nossa bateria.
 
Sonoridade
 
- Temos muito cuidado com afinação aqui. Desde que entrei na bateria, estamos utilizando dessa maneira e vem dando certo. Muitas vezes, nos nossos ensaios de bateria, vou para a rua ouvir a afinação da bateria. Não é mais uma bateria com aquele peso todo por alguns motivos. Primeiro o número de surdos, lembro que a Portela desfilava com 16 primeiras, 16 segundas e 23 terceiras para 70 caixas e 30 repiques. Além disso, era aquele surdo ''treme-terra'', algo até desproporcional e difícil de manter a afinação. Bateria não é só surdo. É um conjunto de instrumentos que precisam ser ouvidos.
 
Tamborins
 
 
- O Vinícius é um cara que eu conheço desde garoto aqui na Portela e sempre mostrou muita qualidade com o tamborim. Naturalmente assumiu a ala e tem feito um ótimo trabalho. Tento travar um pouco. Não gosto de desenho muito picotado, prefiro um floreado, telecoteco e carreteiro, mas vamos nos entendendo. Peço para tirar algumas coisas, deixo outras, nada na vida se faz sozinho. Tem outros diretores que já saíram no tamborim e dão ideias também.

Natal da PORTELA (1988 - Reencarnação)






PORTELA 1991


Noca da PORTELA (Portela Querida - Show de Bem com a Vida)


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

PORTELA 2014 (Ensaio de Rua - 26/01/2014)

 
 
 
 
 
 

Dodô da PORTELA (Realeza na Passarela)

Foto: Aos 94 anos, Dodô, da Portela, é reverenciada em ensaio na Sapucaí
Uma das primeiras a defender o pavilhão da azul e branco acompanhou o ensaio da Porto da Pedra

RIO - A nobreza do samba se reuniu na passarela. E a rainha, Tia Dodô, foi bater palmas para seus súditos. No ensaio técnico da Porto da Pedra, na noite de sábado, que homenageará no carnaval os casais de mestre-sala e porta-bandeira, uma das primeiras a defender o pavilhão da Portela protagonizou os momentos mais ternos e emocionantes do final de semana na Sapucaí. Aos 94 anos, ela fez questão de assistir à vermelha e branca. E, sentada numa cadeira na pista, em frente ao Setor 3, foi reverenciada pelas dezenas de casais que mostraram sua arte na Sapucaí.

Dodô contou que a Porto da Pedra a convidou para o desfile. Disse que estava honrada. No entanto, não poderia trair sua fidelidade à Portela, que ela costuma descrever como uma religião.
— Só desfilo para a Portela. Mas hoje (sábado), vim aplaudir a Porto da Pedra. É uma valorização importante. Já temos até livro. Graças a Deus — afirmou Dodô.
Ao longo do desfile, todos paravam para saudá-la. Selminha Sorriso, da Beija-Flor, rendeu sua homenagem. Raphael e Squel, casal da Estação Primeira de Mangueira, levaram o pavilhão da verde e rosa para Dodô beijá-lo. Gesto repetido pela jovem porta-bandeira da Porto da Pedra, Thaís Romi, que não escondeu a admiração pela dama do samba.
Encontro de gerações
No fim, um dos momentos mais marcantes da noite. Diante de Dodô, que estreou na Portela em 1935, dezenas de crianças e adolescentes da escola de mestre-sala e porta-bandeira de Manoel Dionísio (um dos principais formadores de casais do carnaval) transformaram a Avenida numa espécie de mar de bandeiras. E, assim, a apresentação da Porto da Pedra terminou com a certeza de que a tradição que Dodô ajudou a forjar ainda guarda um futuro de bailados que vão encantar muitos sambistas.



Benção. Dodô, da Portela, é reverenciada na Sapucaí Domingos Peixoto / Agência O Globo
 
Ela é considerada atualmente o maior ícone do SAMBA!
 
Com seus já avançados 94 anos, Dodô, no auge de sua realeza, foi bater palmas para seus súditos e fez questão de assistir a Porto da Pedra, que homenageará no carnaval os casais de mestre-sala e porta-bandeira em 2014.
 
Dentro da bela história da Majestade do Samba, Dodô foi a segunda a defender o pavilhão da Escola de Oswaldo Cruz. 
 
Sentada numa cadeira na pista, em frente ao Setor 3, foi reverenciada pelas dezenas de casais que mostraram sua arte na Sapucaí.
 
Lendária, Dodô se disse estar honrada em receber o convite para o desfile, porém, não poderia trair sua fidelidade à PORTELA, que ela costuma descrever como uma religião.
 
— Só desfilo para a Portela. Mas hoje (sábado), vim aplaudir a Porto da Pedra. É uma valorização importante. Já temos até livro. Graças a Deus , confessou Dodô.
 
Selminha Sorriso, da Beija-Flor, rendeu sua homenagem. Raphael e Squel, casal da Estação Primeira de Mangueira, levaram o pavilhão da verde e rosa para Dodô beijá-lo. Gesto repetido pela jovem porta-bandeira da Porto da Pedra, Thaís Romi, que não escondeu a admiração pela dama do samba.
 
No fim, um dos momentos mais marcantes da noite. Diante de Dodô, que estreou na Portela em 1935, dezenas de crianças e adolescentes da escola de mestre-sala e porta-bandeira de Manoel Dionísio (um dos principais formadores de casais do carnaval) transformaram a Avenida numa espécie de mar de bandeiras. E, assim, a apresentação da Porto da Pedra terminou com a certeza de que a tradição que Dodô ajudou a fazer esta bela história, eternizada no Mundo do Samba.
 
Sem palavras!

Noca da PORTELA (Clube Militar 24/Jan/2014)


Portelenses (26/01/2014)

PORTELA 2014 (Avenida Rio Branco hoje)

domingo, 26 de janeiro de 2014